Expectativas, Emprego Formal e Reorganização da Economia

INFORMATIVO ECONÔMICO ACISC – 04 de agosto

O significado de uma “economia dinâmica” é o mesmo que o significado que se dá ao termo “mudança”. Quando o uso do termo mudança é aplicado à análise econômica o foco recai sobre as alterações mais ou menos radicais no funcionamento das empresas, ou no comportamento de consumidores e de empresários.

As análises elaboradas sobre o presente e as tendências do consumo estão sendo privilegiadas porque através do consumo ou da mudança de hábitos de consumo, dada a circunstância, estão sendo analisadas. Logo, se para o comércio uma melhor percepção do comportamento do consumidor é decisiva, não menos importante é para o setor industrial. A cadeia de fornecimento que, em geral, segue o padrão:

preferências dos indivíduos+industrialização em massa
+distribuição e comercialização

está sendo alterada com influências ainda não totalmente definidas. Além disso, não se pode afirmar que exista uma direção do movimento estável.

Em busca de uma melhor percepção os indicadores quantitativos, como volume de produção e emprego se revelam importantes para apontar uma trajetória. Se esses indicadores forem mantidos ou ampliados, então, as mudanças não irão romper com o que predominava no passado recente na organização econômica. Ao menos, não para o curto prazo, ou seja, dentro de 12 a 18 meses.

A consequência de mudanças apenas incrementais é a segurança das relações econômicas antes estabelecidas com implicações para os contratos (sejam de trabalho ou de comercialização).

Contudo, esses indicadores embora possam permitir tal inferência, é necessário recordar que as alterações na forma de mobilidade urbana, trabalho home office, alterações de contrato de trabalho e preferência por produtos nacionais poderão conduzir a mudanças significativas na reorganização da economia. Empresas que assimilaram os processos de comercialização com plataformas eletrônicas, segmentos indústrias que decidiram constituir sua própria distribuição através de tais plataformas, simplificação dos serviços às famílias está conduzindo para uma redução de preços para bens e serviços que são vendidos exclusivamente no mercado interno.

Logo, apesar de a renda real do brasileiro estar caindo, a queda de preços colabora para que o custo de vida também diminua. Assim, as mudanças do emprego formal em muitos segmentos podem colaborar com o entendimento sobre qual a possível tendência do padrão de consumo.

A Tabela 1 informa a quantidade de movimentações e o saldo total do emprego do município de São Carlos. A Tabela 2 informa as admissões, demissões e saldo do emprego no município.

Tabela 1 – Emprego Formal em São Carlos

Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho (PDET).

 

Tabela 2 – Movimentação do Emprego Formal em São Carlos

PDET.

 A mudança que ocorre em São Carlos tem sintonia com as mudanças no emprego formal do País, Região Sudeste e Estado de São Paulo? Para responder a essa questão organizamos a Tabela 3 com os sinais de mais (+) e menos (-) para identificar o comportamento das admissões e demissões por região:

Tabela 4 – Movimentação do Emprego por Região

Elaboração Própria.

A única diferença de São Carlos para o comportamento do saldo de emprego (Admissões – Demissões) é no setor da Agropecuária. Mesmo assim, o saldo foi de – 14, um número baixo para o conjunto de emprego.

Logo, as tendências do País, Região Sudeste, e Estado de São Paulo podem ser levadas em consideração até o momento.

Tabela 5 - Regiões

 

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?