INFORMATIVO ECONÔMICO ACISC – 19 de Janeiro de 2021

Comércio Exterior

A demanda externa por produtos nacionais é um mercado diplomático e comercial para as nações e fomenta a dinâmica da competição. A competição entre produtos e serviços nacionais e internacionais é um “espaço” diplomático porque o comércio é regulado pelo poder dos Estados segundo as legislações e protocolos de governanças.

Alcançar mercados externos significa que as empresas participantes colocam em prática capacidades específicas e competências adequadas para manter o cumprimento de contratos no longo prazo. O desafio de participar de mercados além das próprias fronteiras expande o conhecimento empresarial e estabelece uma dinâmica interna à empresa que, em geral, eleva a produtividade.

 

Uma perspectiva das pautas de exportação e importação do Brasil e de São Carlos ajuda a pensar sobre o tema da produtividade

Em 2020, o Brasil exportou $209.817.415.387 e importou $158.930.498.838. O saldo comercial foi, portanto, de $50.886.916.549. Esse saldo foi resultado principalmente da exportação de seis grandes grupos de produtos. São eles: 1) Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens; 2) Minérios, escórias e cinzas; 3) Combustíveis minerais, óleos minerais e produtos da sua destilação; matérias betuminosas; ceras minerais; 4) Carnes e miudezas, comestíveis; 5) Açúcares e produtos de confeitaria; 6) Ferro fundido, ferro e aço.

As importações dos seis principais grupamentos de produtos foram: 1) Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes e acessórios; 2) Reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos, e suas partes; 3) Combustíveis minerais, óleos minerais e produtos da sua destilação; matérias betuminosas; ceras minerais; 4) Produtos químicos orgânicos; 5) Embarcações e estruturas flutuantes; 6) Adubos (fertilizantes).

A comparação entre os seis grupamentos de produtos exportados com os seis importados demonstra o perfil da economia brasileira baseado no agronegócio. As importações, por sua vez, mostram que o país adquire produtos da indústria de transformação mundial. As exportações com base no perfil de commodities tem como característica preços flutuantes e competitivos. Por isso, o setor é sensível ao custo Brasil, que inclui a estrutura tributária.

O setor do agronegócio enfrenta a competição internacional com grande flutuação de preço com seus ganhos de produtividade devido aos investimentos em tecnologia e processos.

Já os produtos importados pertencem à indústria de transformação com formação de preços em oligopólio. Isto significa preços mais estáveis, de maior valor agregado por quilo exportado e que remunera o produtor de acordo com seus investimentos, diferentemente do que acontece com a indústria nacional brasileira. Devido às políticas de desindustrialização, em particular, do câmbio apreciado praticado antes de 2019 e os baixos níveis de investimento privado industrial deixaram a indústria longe da competitividade internacional.

O cenário é um pouco diferente para a cidade de São Carlos. O grupamento dos seis produtos mais exportados pelas empresas da cidade tem características da indústria de transformação. São eles: 1) Reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos, e suas partes; 2) Obras diversas; 3) Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes e acessórios; 4) Aeronaves e aparelhos espaciais, e suas partes; 5) Instrumentos e aparelhos de óptica, de fotografia, de cinematografia, de medida, de controle ou de precisão; instrumentos e aparelhos médico-cirúrgicos; suas partes e acessórios; 6) Bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres.

 

 

O seis principais grupos de produtos de importação corresponderam a: 1) Reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos, e suas partes; 2) Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes e acessórios; 3) Obras de ferro fundido, ferro ou aço; 4) Instrumentos e aparelhos de óptica, de fotografia, de cinematografia, de medida, de controle ou de precisão; instrumentos e aparelhos médico-cirúrgicos; suas partes e acessórios; 5) Plásticos e suas obras; 6) Aeronaves e aparelhos espaciais, e suas partes.

A semelhança entre as pautas de exportação e importação do município significa que a indústria local participa na corrente de comércio nos mesmos códigos/sistemas de harmonização, ou seja, adquire boa parte de componentes e insumos para a confecção do produto a ser exportado.

Em termos de valor agregado, o município dependeu muito menos do agronegócio do que a própria economia brasileira. Em síntese, a indústria do município precisa incorporar regularmente investimentos em tecnologia. Por outro lado, se a capacidade econômica e financeira das empresas locais não estiver alinhada com tal necessidade, a probabilidade de sucateamento será elevada. Com isso haverá riscos para a capacidade de empregar da indústria na cidade e região.

 

Saiba qual o horário do comércio em São Carlos: Clique aqui!

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?