INFORMATIVO ECONÔMICO – 11 de maio de 2021

Por Núcleo de Economia da ACISC

O Mês de Maio e o Comportamento do Varejo

O comércio varejista é um grande indicador da atividade econômica e do comportamento do consumidor. As projeções de crescimento ou decrescimento das vendas para o Dia das Mães neste ano, por exemplo, foram marcadas por contradições em busca de um melhor entendimento da própria economia. As contradições se devem a diversos motivos.

Em primeiro lugar, as localidades enfrentaram o fechamento de atividades ou “lockdown”. A descontinuidades das atividades produtivas provoca redução no fluxo operacional em muitas empresas, tanto em seus segmentos quanto nas cadeias produtivas.

Em março, por exemplo, a indústria brasileira reduziu a produção nacional em -2,4% com relação ao mês de fevereiro de 2021. Por outro lado, essa mesma indústria apresentou em março uma produção de 10,5% maior do que março de 2020. Nos três primeiros meses de 2021 a indústria expandiu a produção em 4,4%.

A queda da produção industrial em março de 2021 frente ao mês de fevereiro representou o efeito da crise sanitária, que obrigou a muitos municípios brasileiros a fecharem atividades comerciais e de serviços. O setor da indústria já havia antecipado as consequências do aumento do número de contágios e reduziu a produção física, porque também recebeu menos pedidos de compra de setores do varejo.

Contrariando o movimento nacional, o Estado de São Paulo registrou crescimento de sua produção industrial em março com relação a fevereiro de 2021. Em São Carlos, o emprego formal da indústria tem sido positivo, segundo o CAGED!

Esses movimentos contraditórios entre regiões ocorrem porque o fechamento das atividades produtivas interrompe o fluxo de renda e, como consequência, causa mudanças nos planos de consumo e de investimento de consumidores e de empresas.

Por outro lado, muitas cidades paulistas têm presença no comércio exterior e seus setores da indústria reagiram, enquanto a produção para o mercado interno caiu!

Logo, em São Carlos, o dia das Mães pode ter tido um volume de vendas maior do que o registrado em 2020.

Um segundo motivo para as contradições refere-se aos ajustamentos que as empresas do comércio fizeram em relação ao seu próprio funcionamento quando comparado a 2020. As empresas procuraram aumentar o giro das vendas para recuperar os investimentos devido às exigências sanitárias, mas também reduziram o quadro funcional, jornadas ou ainda rendimentos como comissões e salários.

O giro das vendas é calculado através da divisão entre Faturamento / Ativo Total. Para aumentar o giro, muitas empresas varejistas de São Carlos promoveram vendas “ao vivo” com descontos, prática comum dos últimos 60 dias.

Outras empresas do varejo criaram inovações para fidelizar clientes e se ajustaram mais acentuadamente em relação a 2020, o que levou a redução do tamanho da empresa em termos do número de funcionários. A alternância entre trabalho com registro e temporário tem sido administrado pelas empresas para reduzir custos.

Apesar de o cenário não ser ainda positivo, o emprego formal na cidade cresceu no primeiro trimestre do ano, e o comércio se manteve estável. Se o resultado de maio de 2021 com relação a 2020 confirmar a previsão de -2,5% feita pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo, o saldo não terá sido tão negativo.

É preciso considerar que as empresas ajustaram custos e despesas e foram obrigadas a melhorar a eficiência nos negócios. Portanto, a avaliação das vendas do comércio em maio com relação ao faturamento sobre o ano anterior pode não ser a melhor tradução dos resultados.

O retorno da quase normalidade antes da data do Dia das Mães reacendeu o comércio local e a disposição de gastos. Com a entrada do auxílio emergencial, o movimento de pessoas e a circulação de veículos a demanda cresceu frente ao mês de abril.

Tais movimentos como promoções, aumento de eficiência, redução de jornada ou de quadros funcionais alteraram o comportamento dos consumidores com relação às datas festivas.

Segundo a pesquisa da FECOMÉRCIO as lojas de materiais de construção, autopeças e acessórias e vestuário apresentaram projeção de crescimento de 22,8; 14,6 e 12,6%. As atividades de decoração, eletrodomésticos e eletrônicos e supermercados tiveram projeções negativas de -17%, -8,0% e -3,9%. O saldo, portanto, é de um consumo compensatório sem grandes destaques para o consumo específico do Dia das Mães.

A preocupação com as vendas no varejo não é sem razão. Os dados do IBGE na Tabela 1 demonstram as flutuações do volume de vendas do comércio para o território nacional no primeiro trimestre de 2021. A inexistência de uma estabilidade cria graves problemas para o setor e para a economia em geral.

Finalmente, em São Carlos, o varejo pode ter encontrado mecanismos para aproveitar o aumento localizado da demanda. Os dados do primeiro trimestre sobre o emprego formal, ao demonstrar que a economia formal cresceu significou também um aumento da massa de rendimentos. É de se esperar que os resultados tenham sido melhores do que em 2020.

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?