INFORMATIVO ECONÔMICO ACISC – (28 de julho)

O cenário de análise internacional considera hoje a recuperação econômica na forma V uma fantasia. Há três meses o FMI projetava crescimento per capita para 160 países membros e no mês de julho a instituição aponta para 170 países que deverão registrar decrescimento da renda per capita.

O significado não é menor crescimento do Produto Interno Bruto, mas sim o crescimento negativo, como já antecipados pelas evidências do aumento da taxa de desemprego e a redução da renda real. Não por acaso economistas, em particular, Joseph Stigltiz ex-vice presidente do Banco Mundial, defende medidas mais amplas do que o PIB para julgar e categorizar melhor os esforços dos países em favor do desenvolvimento.

É importante esclarecer as razões para a forma V de recuperação econômica não se concretizar. Em primeiro lugar, em termos macroeconômicos, os gastos de famílias e empresas passam por uma situação semelhante: redução do valor de seus ativos e aumento de passivos.

Em segundo lugar, da perspectiva microeconômica, o contágio funciona como uma barreira econômica às atividades empresariais. Atividades econômicas que dependem de muita proximidade de seus consumidores em um mesmo espaço encontram maiores barreiras ou menos liberdades para manterem estáveis suas atividades.

O resultado é o redirecionamento dos gastos dos consumidores para atividades com menor chances de contágios. Logo, o aprendizado dessa experiência é que os empresários quanto mais transmitirem e demonstrarem segurança aos seus clientes de baixos riscos de contágio em suas atividades, mais êxito terão na travessia da conjuntura atual.

Outra questão importante refere-se aos segmentos produtivos que podem empregar mais tecnologia e equipamentos para desenvolver suas atividades. O efeito substituição de pessoas por tecnologia poderá resultar em maior volume de vendas. Por outro lado, atividades econômicas com larga dependência do capital humano nas operações devem contrabalancear seus modelos de negócio e aumentar a governança sanitária.

A população de baixa renda que consome bens de subsistência manterá seus gastos em dimensões mais localizadas geograficamente. Por esta razão o comércio em bairros apresentará tendência de fortalecimento. Mas, são nesses locais que o risco de contágio é elevado.

Para os consumidores de renda média e elevada a demanda por bens mais elaborados está caindo e isso acabará prejudicando o mercado de bens de serviços de maior valor agregado.

Logo, no caso brasileiro, aportes do auxílio emergencial nos meses de setembro, novembro e fevereiro de 2021 serão necessários para multiplicar a renda e causar efeitos virtuosos nas cadeias produtivas.

São Carlos e os pedidos de Seguro-Desemprego.

Os pedidos de seguro-desemprego em São Carlos, a exemplo do Estado de São Paulo e do Brasil estão em queda. Pessoas com o ensino médio completo foram as que mais perderam oportunidades de trabalho. Isso resultará na redução da produtividade da economia no futuro próximo. O grande volume de solicitações de pedido de seguro-desemprego está no setor de serviços. No Estado de São Paulo o setor de serviços foi responsável por cerca de 47% das solicitações na primeira quinzena de julho.

 Em São Carlos o número de pedidos na primeira quinzena de julho já está igual ao da primeira quinzena de julho de 2019. Esses dados confirmam a tendência de uma economia que está mais ajustada aos volumes de vendas. Outros fatores passarão a explicar o comportamento do emprego local no futuro próximo.

Dentre muitos, o principal fator que influenciará o ritmo da economia serão as expectativas e, portanto, o comportamento da demanda. As transferências emergenciais deviam continuar como mecanismo de coesão econômica e social.

Para melhor percepção sobre o comportamento dos pedidos de seguro-desemprego, apresenta-se a Tabela e o Gráfico 1 logo abaixo. A redução de custos poderá compensar a redução da demanda, mas para tanto, o orçamento público em todas as esferas deverá passar por ajustes.

Gastos materiais com o funcionamento da máquina pública e a longa lista de auxílios nos Governos Estaduais e Federal podem ceder lugar para emendas parlamentares destinadas às regiões de interesse político.

Tabela 1 – Pedidos de Seguro Desemprego por Quinzenas.

Gráfico 1 - Pedidos de Seguro Desemprego por Quinzenas

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?