INFORMATIVO ECONÔMICO ACISC - 13 de julho de 2021

Por Núcleo de Economia da ACISC

Comportamento da Indústria, do Comércio e dos Serviços no Brasil Recente

As informações recentes sobre o mercado de trabalho em várias regiões do Brasil e nos municípios, como em São Carlos, são determinadas tanto por antecedentes econômicos quanto por expectativas.

As expectativas podem alterar os rumos da evolução mais recente dos negócios e reforçar os antecedentes econômicos mais recentes. Os antecedentes referem-se aos elementos do ciclo produtivo dos setores econômicos que se distribuem no tempo.

Os elementos ou variáveis do ciclo econômico compreendem: 1) Aquisição e recebimento de matérias-primas; 2) Produção, comercialização ou prestação de serviços; 3) Faturamento das vendas; 4) Pagamento de fornecedores; 5) Recebimento das vendas.

O ciclo produtivo é determinado pela comparação entre vendas esperadas e realizadas e os ajustes de curto prazo recaem na (des)acumulação dos estoques, admissão ou desligamentos de trabalhadores e ajustamentos sobre a quantidade física nas atividades produtivas.

Os dados recentes do IBGE sobre a produção física nos setores são do mês de maio e definiram as condições de hoje! O comportamento da produção física é um indicador importante de curto prazo para o ciclo produtivo e favorece a formação de expectativas para o segundo semestre de 2021.

Na indústria, a produção física cresceu 1,4% no Brasil e 3,9% no Estado de São Paulo. O Estado de Goiás foi o que mais expandiu a produção com expansão de 4,8%. Os Estados da Bahia e Pará registraram queda de -2,1%.

Em relação ao mês de maio de 2020 a produção industrial cresceu 24% para o Brasil e 31,4% no Estado de São Paulo. Dessa forma, fica explicado pelos antecedentes a razão da expansão dos contratos de trabalho com vínculos empregatícios dentro do CAGED/E-Social na indústria para várias regiões, inclusive São Carlos.

No comércio, o volume comercializado no Brasil cresceu 1,4% e 2,9% no Estado de São Paulo. O Estado de Goiás foi o único Estado que registrou retração do comércio, -0,3%; é resultado “curioso” em função da expansão da indústria. Contudo, é excelente exemplo das expectativas que influenciaram a indústria do Estado e os antecedentes que influenciaram negativamente as vendas do setor nesse Estado.

No mês de abril, Goiás havia expandido o volume de vendas em 7,9%, ou seja, Goiás foi um dos oito Estados que mais venderam em abril.

O setor do comércio vendeu 16% a mais em maio de 2021 do que em maio de 2020; o Estado de São Paulo registrou 19% a mais de vendas do que em 2020. A exemplo do comportamento da indústria, esses antecedentes reforçam as expectativas para o segundo semestre.

O setor de serviços expandiu a produção física em 1,2% em maio com relação ao mês de abril do ano corrente e 7,3% a mais do que em maio de 2020, ambas taxas para o Brasil. O Estado de São Paulo também registrou crescimento do volume de serviços prestados em maio com relação ao mês de abril em 2,5%. Quando se observa o ano de 2020, o Estado de São Paulo registrou crescimento das vendas no setor em 7,9%.

Com esses resultados, a indústria e construção civil, comércio e serviços recuperaram o volume de produção e oferta de bens e serviços. O aumento quantitativo influencia o aumento das admissões no País e nas regiões.

A taxa de desemprego, por sua vez, se elevou porque um continente que estava fora da força de trabalho passou a buscar emprego. Tal fato se explica pelas expectativas favoráveis do aumento de produção, mas resulta em um indicador “ruim” para a economia porque as pessoas que desejam trabalhar não encontram oportunidade.

Com esses resultados, espera-se que a recuperação do Produto Interno Bruto aconteça dentro dos próximos dois anos, em particular, com um número de empresas mais bem ajustadas à pandemia.

 

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?