Informativo Econômico ACISC - 07/07/2020

Conjuntura Nacional. O mês de maio registrou um comportamento positivo para a atividade industrial do país após um declínio acentuado no mês de abril. A Tabela 1 registra todas variações da produção física industrial para os cinco primeiros meses do ano, por categorias econômicas.

Algumas variações podem causar uma certa surpresa devido ao crescimento elevado da produção física em maio, como é o caso da Fabricação de Veículos, de Bebidas, Fabricação de Equipamentos de Transporte e de Móveis. Mas em todos esses casos, ocorreram quedas significativas da produção nos meses de março e de abril.

O movimento industrial revela o ajustamento da economia e que proporciona um ajuste cíclico nas cadeias produtivas. A transmissão do ajustamento dos segmentos para o emprego não é imediata, mas ocorre quando a demanda é reduzida substancialmente. Alguns ajustamentos apontam para uma assimilação das novas condições econômicas.

A Fabricação de bens de consumo, aqueles que respondem as variações da renda corrente da população melhoraram em maio. Assim, a estabilidade da produção alimentícia, o crescimento da produção de bebidas, fumo, têxteis, vestuário e fabricação de calçados demonstram a demanda por reposição dos estoques do comércio. Ocorreu também a recuperação da produção bens de consumo durável como veículos, de carga, carrocerias, produtos eletrônicos e móveis.

O setor comercial, portanto, respondeu com aquisições porque o consumo das famílias que registrou queda acentuada em abril deve ter se recuperado no mês de maio (dados do IBGE ainda não estão disponíveis).

O setor de máquinas e equipamentos e mais geral o setor de bens de capital também demonstraram reações positivas no mês de maio. O setor de bens intermediários que é responsável pela produção de outros bens, por outro lado, demonstra variação discreta no agregado do país.

A produção de materiais não metálicos, metais, produtos de borracha, derivados de petróleo e biocombustíveis demonstra que a atividade industrial opera com foco na reposição de estoques e a demanda de insumos de produção acompanha a demanda por bens finais.

Logo, a atividade industrial indicou nos dois últimos meses do ano, abril e maio, ajustamento do ciclo em função do movimento mais imediato de mercado. No geral os indicadores de capacidade ociosa continuam elevados.

Há no horizonte elementos que podem apontar para uma pequena elevação da atividade econômica, como os investimentos. A Formação Bruta de Capital Fixo registrou expressivo crescimento, segundo o IBGE, no mês de maio. A produção nacional (sem as exportações mais as importações) cresceu no mês de maio, da mesma maneira que também cresceu a construção civil.

Com as medidas recentes do Banco Central do Brasil, o crédito para as micro e pequenas empresas deve estar disponível na segunda semana do mês de julho, o que favorece as expectativas empresariais, pois uma grande massa de segmentos empresariais teria melhores condições para desenvolver suas atividades no curto prazo.

Por outro lado, o setor de Energia Elétrica teme grandes índices de inadimplência e o setor de refino de petróleo também enfrenta dificuldades dada a menor demanda. Na contramão o Setor da Construção Civil, comentado acima, favorece a multiplicação de negócios e da renda para o segundo semestre.

São Carlos. A economia da cidade aguarda por um ritmo melhor, mas é penalizada pelo cancelamento das atividades letivas das Universidades. Isto retira do mercado um valor expressivo que mantém empregos. A melhor comparação com o que acontece com a suspensão das atividades letivas é o comportamento do comércio nos meses das férias escolares. Por outro lado, o comércio de bairro aponta resiliência.

Um dado já comentado neste Informativo ao final do mês de junho é o número menor de pedidos de seguro desemprego na primeira quinzena do mês de junho. Ocorreram 528 pedidos ante a 678 da segunda quinzena do mês maio.

A expectativa para a economia do município será melhor avaliada com os indicadores dos pedidos de seguro desemprego para a segunda quinzena do mês de junho, do emprego formal do CAGED para o mesmo mês e a verificação do número de empresas ativas, atualizadas também para junho. Com isso, um desenho para o segundo semestre será de fato mais verossímil.

TABELA 1 – Variação Mensal da Produção Industrial Brasileira em 2020 – em %

O Núcleo de Economia da ACISC é fruto do convênio entre a Associação Comercial e Industrial de São Carlos (ACISC) com o Núcleo de Conjuntura, Finanças e Empreendedorismo do Departamento de Economia da UNESP Araraquara e conta com a coordenação do Prof. Dr. Elton Eustáquio Casagrande e supervisão do Presidente da ACISC José Fernando Domingues.

 

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?