INFORMATIVO ECONÔMICO ACISC – 03 de maio de 2021

Contratos Formais de Trabalho em São Carlos

A publicação dos contratos formais de trabalho pelo Programa de Disseminação de Estatísticas do Trabalho (PDET), na última semana do mês de abril, deram novas evidências da capacidade de resistência do mercado de trabalho brasileiro.

O setor empregador de São Carlos admitiu 2.707 pessoas e desligou 2.539. O aumento de 168 novos contratos pode ser considerado discreto. Contudo, deve ser levado em conta que os custos com os contratos de trabalho foram encarecidos, não somente em função das novas regulamentações sanitárias, mas devido a descontinuidade das atividades econômicas. Com o fechamento das atividades, a produtividade do trabalho é prejudicada e o desempenho gerencial também.

Em termos quantitativos, o estoque de vínculos formais atingiu 75.981 postos na cidade. A expansão de 168 novos vínculos em março na cidade confirma o terceiro mês consecutivo de crescimento do mercado de trabalho formal. Isso demonstra que, mesmo com o fechamento das atividades devido às condições sanitárias, a resposta do mercado foi positiva.

O comércio de São Carlos reduziu o saldo somente em -86 vínculos de trabalho no mês de março. A indústria criou 94 novos vínculos formais, o setor de serviços 84, a construção civil 72 e agropecuária 4.

Os dados do primeiro trimestre do ano estão na Tabela 1 e mostram um cenário de resiliência.

Em termos do primeiro trimestre do ano, a indústria criou 894 postos, o setor de serviços com 791, a construção com 208 e a agropecuária 36. Esses setores acrescentaram, portanto, novas oportunidades ao mercado. O setor comercial, o mais afetado pelas circunstâncias, praticamente não alterou sua posição, com redução de -30 postos no trimestre. O total de vínculos formais aumentou em 1.899 no primeiro trimestre na cidade de São Carlos.

A capacidade de monitorar aglomerações nas periferias da cidade exige mais investimentos e governança pública. Esse é o caminho para não penalizar setores econômicos que fizeram investimentos e tem governança. 

Na Figura 1, verifica-se que no primeiro trimestre de 2021 ocorreram: 1) o aumento das admissões e demissões; 2) o crescimento mais lento do saldo de vínculos formais.

A multiplicação dos gastos de consumidores, empresas e setor público no setor organizado da economia poderá influenciar positivamente o setor informal, na medida que o controle dos contágios ocorra com maior precisão e menor generalidade na cidade, região e no Estado.

Finalmente, sobre as regiões Sudeste e Estado de São Paulo, o saldo dos vínculos formais cresceu em ambas as regiões. No Estado o aumento atingiu 50.940 novos postos; no Sudeste a expansão foi de 103.935.

No Brasil, a expansão atingiu 184.140 novos vínculos. Percebe-se assim que a Região Sudeste e o Estado de São Paulo lideraram os movimentos econômicos da economia formal. O Estado de São Paulo tem maior grau de especialização produtiva e tecnológica e se demonstra mais apto no campo econômico do que os demais Estados para enfrentar os ajustamentos.

 

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?