Banco Central e os Pedidos de Seguro-Desemprego

Conjuntura do Banco Central e os Pedidos de Seguro-Desemprego

A situação da economia brasileira no mês de julho é, no mínimo, contraditória. Aspectos favoráveis e desfavoráveis vigoram no ambiente e a evidência do aumento dos pedidos de seguro-desemprego em 2022 conflitam com as projeções do Banco Central para o ano corrente.

O Boletim Focus publicado em 15 de julho passado pelo Banco Central aponta para uma taxa de inflação em queda, de acordo com as previsões para o IPCA. Há um mês, a projeção do IPCA era de 8,27% e na última sexta-feira, o mercado projetou a taxa de 7,54%.

O fato positivo que reforça a queda da inflação é o recuo também do IGP-M, que é mais sensível à taxa de câmbio. Esse é um fato que merece ser explicado. O aumento da taxa de juros – SELIC estabilizou as aplicações financeiras internacionais (de portfólio) no Brasil. Com isso, a taxa de câmbio passou a sofrer menos variações porque a estabilização dos fluxos internacionais tornou a oferta e demanda por moeda estrangeira mais estabilizada.

A consequência da relação juros – câmbio é a menor transferência dos efeitos cambiais para os preços nacionais. Por isso, a inflação começa a cair.

O Produto Interno Bruto, PIB, estava projetado para 1,5% de crescimento e a previsão atualizada apontou para 1,75% de expansão. Trata-se ainda de uma recuperação diante da grande recessão em razão da pandemia e seus efeitos nos anos de 2020 e 2021.

A balança comercial segue positiva e a dinâmica do Brasil no comércio internacional ainda depende de uma taxa de investimento crescente do setor privado. Somente os investimentos produtivos podem incrementar a capacidade de competição brasileira.

Se esses fatores são positivos, um único indicador na contramão leva a uma certa ponderação sobre os resultados acima. Trata-se dos pedidos de seguro-desemprego. No acumulado de janeiro a junho de 2021 o total de pedidos havia alcançado o número de 3.028.037.

Neste ano, o número de pedidos de seguro-desemprego atingiu 3.459.086, ou seja, uma expansão absoluta de 331.049 pedidos. Em porcentual a taxa foi de 10,6%. Ainda na dimensão nacional, é fato que o número de pedidos de junho caiu sensivelmente com relação ao mês de maio. Logo, se essa evidência se tornar uma tendência, então o quadro geral da economia será positivo.

Na cidade de São Carlos haviam ocorrido 4. 633 pedidos nos primeiros seis meses de 2021. No ano de 2022 o total de pedidos de seguro-desemprego avançou para 5.312 novas solicitações, o que representou um aumento de 14,6% de pedidos a mais neste ano do que no ano passado.

No mês de junho deste ano, o total de pedidos de seguro-desemprego atingiu 862 e no mês de maio, o total de pedidos havia atingido 951 solicitações. Portanto, houve uma queda de 89 pedidos, ou 10% a menos de solicitações, com relação ao mês de maio deste ano.

A classe empresarial quando observa os marcadores macroeconômicos do Banco Central faz uma revisão positiva das expectativas. Os dados dos pedidos de Seguro-Desemprego forçam uma revisão para baixo! Ao considerar o cenário do município, a evidência dos pedidos de Seguro-Desemprego tem uma força maior sobre as expectativas, por se tratar do ambiente local e um indicador indireto, mas importante de atividade econômica.  

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Dúvidas?